Vice-presidente da República e Ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços confirmou presença em evento que vai discutir R$ 1,5 bi em novos projetos no PIM.

A 308ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS) será realizada no próximo dia 24 (sexta-feira), a partir das 10h (horário de Brasília), em Manaus, com a presença do ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços e vice-presidente da República, Geraldo Alckmin.

A confirmação ocorreu na tarde desta segunda-feira (13) e foi comunicada pelo MDIC ao superintendente da Suframa, interino, Marcelo Pereira.

Nesta terça-feira (14) o superintendente se reunirá com o Governo do Amazonas, que será parceiro do governo federal na realização do encontro, para discutir detalhes do cerimonial.

A reunião do dia 24 será a primeira do CAS em 2023 e terá caráter especial em função da comemoração do aniversário de 56 anos da Suframa e do modelo Zona Franca de Manaus, celebrados oficialmente no último dia 28 de fevereiro.

A expectativa é que o encontro conte com uma pauta de 44 projetos industriais e de serviços, totalizando aproximadamente R$ 1,5 bilhão em novos investimentos e a geração de aproximadamente dois mil empregos, bem como fomente discussões e anúncios representativos para o modelo Zona Franca de Manaus.

A partir desta terça-feira (14), a Suframa e o Governo do Estado do Amazonas intensificarão os preparativos para recepcionar o vice-presidente da República e os novos conselheiros do CAS.

Vale lembrar que, também nessa segunda-feira, foi publicado no Diário Oficial da União o Decreto nº 11.435, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, definindo a nova composição do Conselho com 25 membros titulares, incluindo algumas novidades: a reintegração do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima e a participação inédita do Ministério dos Povos Indígenas.

Marcelo Pereira afirma que o governo federal teve extremo zelo durante todo o processo de elaboração do decreto com a nova estrutura do Conselho para não causar prejuízos ao ambiente de negócios da região e editar um documento adequado às demandas dos diversos segmentos e vertentes da Zona Franca de Manaus.

“A reunião atrasou cerca de 20 dias em relação à data originalmente proposta e esse foi um dos menores tempos que já tivemos nesse processo de transição do governo federal. Isso é para deixar claro que houve um cuidado muito grande do governo federal para que não represássemos investimentos e não demorássemos para celebrar a reunião de um dos principais colegiados de investimentos da região.”

Fonte: REAL TIME 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui