As altas temperaturas podem transformar o aparelho de ar-condicionado na “estrela” da Black Friday de 2023, que será realizada na sexta-feira (24 de novembro.

O produto e seus similares, como ventilador, climatizador de ar e umidificador, devem dominar a preferência de compra dos clientes na tradicional data de ofertas do varejo.

A procura pelo equipamento já subiu 23,48% e o preço teve alta de 6,15% na semana terminada em 11 de novembro ante a semana anterior, segundo dados da Mosaico, plataforma que controla os sites de comparação de preços Zoom e Buscapé. E as expectativas são de que aumentem ainda mais até o dia 18.

Com a busca pelo item superando os celulares na segunda (13), dia em que as temperaturas bateram recordes em todo o país, Maurício Cascão, diretor-executivo da Mosaico, afirma que esse é um sinal de que o conforto térmico deve ditar o tom das compras em 2023, como já ocorreu em anos anteriores, mas com outra intensidade.

O interesse do consumidor eleva os preços para cima. “O varejo funciona na base da oferta e da procura, então você vê uma confluência de fatores”, diz ele, lembrando que quanto mais gente mostra interesse por um produto, mais caro ele fica.

A preferência do consumidor pelo ar-condicionado ainda não superou os dados da semana de 24 de setembro, quando a primeira onda forte de calor tomou conta do país. Na ocasião, as buscas subiram 101% em relação aos sete dias anteriores e o preço teve alta de 7,42%.

O valor médio, porém, está maior em novembro do que em setembro, e chega a R$ 2.228. Em setembro, estava em R$ 2.086. O valor mínimo, no entanto, é de R$ 1.485 e o máximo, de R$ 4.932.

Cascão, acredita, no entanto, que os preços devem ter queda na Black Friday, com boas ofertas no varejo, já que as empresas investem pesado no que consideram os cinco melhores dias do mês, a quinta, prévia da sexta tradicional, o sábado, o domingo e a segunda, chamada de Cyber Monday e considerada a “Xepa” da data.

“Haverá boas ofertas, com preços mais competitivos. Havia uma demanda reprimida e o varejo vai investir. São cinco dias que valem por um mês inteiro”.

O executivo afirma que o consumidor menos treinado pode pagar mais, mas quem se prepara consegue boas ofertas. A principal dica é escolher o modelo que quer comprar, monitorar preços, ativar notificação para quando o buscador encontrar o menor valor na internet e fechar a compra, senão, pode perder a oferta.

Toríbio Rolon, presidente do departamento nacional de comércio e Distribuição da Abrava (Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento), afirma que, ao escolher o ar-condicionado, o consumidor deve levar em conta alguns fatores, mas o principal deles é o selo de eficiência energética.

O selo Procel indica ao consumidor os produtos que apresentam os melhores níveis de eficiência energética, fazendo com que o gasto na conta de luz seja menor. Além disso, é preciso saber o tamanho do ambiente e o número de pessoas que ali ficarão.

A tecnologia do item deve ser a inverter, que auxilia na economia de energia. Segundo ele, aparelhos inverter eram 50% mais caros que os demais, hoje, essa diferença caiu para 20%. Para instalar, será preciso contratar um profissional.

Sobre os preços em alta dos aparelhos de ar-condicionado, ele diz que devem continuar assim por alguns meses, por conta justamente da emergência climática, que agravou a seca no Amazonas. “É a tempestade perfeita para pressionar preços, com calor forte e questões logísticas”.

A melhor época para comprar, diz Rolon, é no inverno, mais curto neste ano. No verão, o valor sempre sobe. Para ele, as altas temperaturas devem seguir assim até abril.

BUSCA POR VENTILADOR E UMIDIFICADOR SOBE AINDA MAIS

As buscas por ventiladores, climatizadores de ar e umidificadores estão maiores do que por ar-condicionado, mostram os dados da Mosaico. Para especialistas, o motivo é o preço mais competitivo, já que são itens mais em conta, mas com funções diferentes.

O umidificador foi o que mais subiu. A alta na procura foi de 132,18% na semana terminada em 11 de novembro ante os sete dias anteriores. O preço aumentou 11%. No caso dos ventiladores, o aumento de busca pelo item foi de 44,75%, mas o valor médio caiu para 7,83%. Climatizadores tiveram buscas elevadas em 34,41%, com alta de 19,38% no preço.

Ventiladores são encontrados, em média, por R$ 200, valor mínimo é de R$ 84 e o máximo, de R$ 485, dependendo do modelo. Climatizadores custam R$ 727, com valor mínimo em R$ 342 e máximo em R$ 1.896. Já os umidificadores têm preço médio de R$ 131, com mínimo de R$ 46 e máximo de R$ 263.

A função dos produtos, porém, é diferente. No caso do ar-condicionado, explica Rolon, o que ele faz não é congelar o ar, mas retirar a molécula de calor da atmosfera, trazendo sensação térmica mais agradável, mas pode ressecar o ambiente.

Ventiladores e circuladores de ar ventilam o local específico para onde estão apontados. Climatizadores causam um certo esfriamento e os umidificadores garantem a umidade do ar, em especial nesta época de seca. Talvez por isso seus preços e procura tenham subido mais.

*

VEJA AS DIFERENÇAS E COMO ESCOLHER O MODELO DE AR-CONDICIONADO

AR-CONDICIONADO PORTÁTIL

São equipamentos que podem ser deslocados de um cômodo para outro. Seu uso é, de preferência, residencial. Não precisam de instalação, mas precisam de um tubo para descarga de ar quente, que deve ser direcionado para fora da casa ou apartamento. Normalmente, esses equipamentos têm capacidades que variam entre 9.000 BTU/h e 12 mil BTU/h. BTU é a capacidade de refrigeração.

AR-CONDICIONADO DE JANELA

Equipamento fixo, que pode ser usado em casas e pequenos comércios, e precisam de instalação. Funcionam como resfriador do ambiente ou podem ter a função aquecimento também. Neste caso, são mais caros. É instalado na parede, com a parte do condensador voltada para fora e evaporadora, para dentro. Tem capacidades que variam entre 7.500 BTU/h e 27 mil BTU/h.

AR-CONDICIONADO SPLIT

Os splits estão entre os aparelhos de ares-condicionados mais conhecidos, são individuais e atendem apenas a um ambiente. A capacidade é entre 9.000 BTU/h e 80 mil BTU/h. Têm características de equipamentos residenciais, mas também podem ser encontrados em ambientes comerciais, como escritórios, clínicas, escolas e academias. Precisa ser instalado, com instalação fixa. Sua unidade evaporadora fica na parte interna do ambiente e a unidade condensadora é instalada na área externa.

Para aplicações comerciais, é preciso prever a renovação de ar externo, levando em consideração a quantidade de pessoas conforme determinação da Anvisa. Os equipamentos splits oferecem diferentes tipos de evaporadoras internas, que possibilitam escolhas conforme o ambiente. Veja as opções:

– High-wall – modelo mais utilizado, é instalado no alto da parede

– Cassete –  a unidade é embutida no teto ou em um forro, ficando visível somente a grelha de insuflamento e retorno de ar

– Piso-teto –  semelhante às unidades high-wall, porém de maior, podendo ser instalado tanto na horizontal, próximo ao teto, quanto na vertical, próximo ao piso

– Built-in –  completamente embutido em um forro ou em um sistema de dutos. Neste caso, o ar de insuflamento e retorno utiliza grelhas

– Multi split – recomendado para instalações que necessitam de climatização em mais de um ambiente, com pequena área externa ou customização de instalação. O equipamento tem apenas uma condensadora e pode atender até cinco evaporadoras de iguais ou diferentes tipos. Informações são da Abrava.

Fonte: JCAM

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui