Manaus/AM – Representantes de empresas e de segmentos do Polo Industrial de Manaus (PIM), Comércio, Serviços e Agropecuária participaram, nesta sexta-feira (7), realizado no auditório Auriovaldo Fontes, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), de uma reunião com o setor de Saúde do Estado e do Município para receber orientação sobre a prevenção ao novo coronavírus.

No evento, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) apresentou o panorama do novo vírus no mundo e no Brasil, e as recomendações sobre a entrada e a saída de estrangeiros com base em protocolos internacionais e nacionais.

A diretora-presidente da FVS, Rosemary Costa Pinto, reconheceu que os casos de epidemias e pandemias devem ser uma preocupação, e também ressaltou que, no momento, a fala a ser repassada é de tranquilidade e de orientação.

“Primeiro, por não termos ainda casos de coronavírus confirmados no Brasil, e também porque o sistema de saúde do país está preparado”, disse ela, que também fez um alerta para que se evite a xenofobia em relação a chineses e asiáticos.

“Temos uma parceria grande com a China e com países asiáticos, onde está o epicentro da epidemia, e não queremos prejuízos para a indústria e comércio”, disse, alertando que a boa informação é a melhor arma para lidar com situações como essas.

Entre as orientações repassadas estão as recomendações sobre o fluxo de executivos e trabalhadores das empresas asiáticas que precisam viajar para intercâmbio de reuniões ou capacitação.

“Há uma preocupação com a entrada do vírus, porque ele tem um período de incubação de 5,2 dias, e são recomendadas duas semanas de quarentena para quem foi exposto. A recomendação é que tudo o que puder ser feito aqui seja feito aqui, com o uso das tecnologias de comunicação a distância, ou então que seja adiado, caso tenha que ser uma reunião presencial”.

A boa informação, segundo ela, é a melhor forma de prevenir. Nesse sentido, orientou as fábricas a providenciarem material educativo com informações corretas em relação aos cuidados com as síndromes gripais; que orientem os colaboradores a evitar a propagação de fake news (notícias falsas) e que ofertem álcool em gel, bem como mantenham os trabalhadores que adoecerem de gripe em casa. Também foram repassadas informações sobre como deve ser o fluxo de casos suspeitos nas fábricas.

Tanto a FVS quanto a Semsa se colocaram à disposição para palestras e para tirar dúvidas das empresas em relação ao novo coronavírus e síndromes gripais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui