Os Indicadores Industriais mostram avanço no faturamento, nas horas trabalhadas e no emprego do setor nos primeiros meses de 2024. A massa salarial e o rendimento médio estão estáveis

A indústria de transformação começou o ano com avanço da maioria dos Indicadores Industriais. De acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), na passagem de janeiro para fevereiro, os indicadores de faturamento (+2,4%), horas trabalhadas (+2,3%) e emprego (+0,5%) mantiveram o avanço também registrado na transição de dezembro de 2023 para 2024.


“Alguns pontos que podem estar proporcionando um ambiente econômico mais favorável para indústria de transformação são a inflação moderada, a Taxa Selic em queda, a expectativa de melhora nas concessões de crédito em 2024 e o caráter aquecido no qual o mercado de trabalho se encontra”, explica o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.


Dois indicadores da pesquisa apresentaram estabilidade em fevereiro de 2024. A massa salarial registrou -0,1% de janeiro para fevereiro e a utilização da capacidade instalada (UCI) ficou com 78,7% no segundo mês deste ano.

O único indicador que apresentou recuo na transição do primeiro para o segundo mês do ano foi o que mede o rendimento médio dos trabalhadores: -0,5% na série livre de efeitos sazonais. Ainda assim, o indicador também apresentou aumento (+3,2%) quando comparado com fevereiro de 2023.

Nesta edição da pesquisa, foram consultadas 1.034 indústrias de transformação, entre 1º e 26 de março.

Indicadores tem novo método de apuração dos dados
Em fevereiro de 2024, a pesquisa Indicadores Industriais passou por uma modernização na plataforma utilizada para coleta e cálculo dos dados e, com isso, as séries históricas foram recalculadas.

Entre as razões para esse recálculo, destacam-se as revisões de valores previamente informados pelas empresas e o tratamento dispensado a identificação e correção de valores discrepantes (outliers).

Mais sobre os Indicadores Industriais
O objetivo dos Indicadores Industriais é identificar, mensalmente, a evolução de curto prazo da atividade industrial, mais especificamente da indústria de transformação.

Como pesquisa conjuntural, a importância deve-se à capacidade de indicar o comportamento efetivo da atividade industrial por meio de variáveis como faturamento, emprego, remuneração e utilização da capacidade.

A pesquisa teve início em 1992 e resulta de parceria da CNI com as Federações Estaduais das Indústrias. Os estados pesquisados respondem por mais de 90% do produto industrial brasileiro.

Editoria:
Por: Giovanna Chmurzynski
Foto: José Paulo Lacerda / CNI
Da Agência de Notícias da Indústria

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui