Eleito presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria) no começo de maio, Ricardo Alban disse que, em seu mandato, não pretende usar a palavra “subsídio”, pois ela se tornou “pejorativa” no Brasil. “Ninguém reclamava de subsídio na época que deu grande impulso no agro, e hoje temos grande admiração pelo agro”, declarou em entrevista à Folha de S. Paulo publicada na noite de 3ª feira (9.mai.2023).“Nenhum setor na história do Brasil foi mais subsidiado do que o agronegócio no início da sua pujança. Isso fez mal ou bem? Mas eu não quero usar a palavra subsídio. Incentivos, financiamentos mais direcionados”

Conforme Alban, o Brasil é um país desigual, com “hiatos significativos”. Por, isso, é preciso haver incentivos regionais. “Tem de existir planejamento e racionalidade e não apenas bravatas”, afirmou. Ele disse que existe “uma percepção de atualização” com a recriação do Ministério da Indústria e Comércio sob o comando de Geraldo Alckmin (PSB).

Para Alban, o vice-presidente e ministro “demonstra compromisso para fazer um processo de industrialização mais aguerrido e que mitigue hiatos do passado”

“O fato de mudarmos de discurso, de reindustrialização para neoindustrialização, nos motiva mais ainda”, afirmou. “Temos de repensar onde precisamos recuperar, estimular e até mesmo apoiar necessidades em setores que precisam ter novas vantagens competitivas ou mitigar desvantagens”, disse. “O que nós precisamos agora, nessa neoindustrialização de que estamos falando, é identificar as janelas de oportunidades. O Brasil tem feito pouca inovação, tecnologia e pesquisa e desenvolvimento.”

Sobre o papel do BNDES no processo de neoindustrialização, Alban afirmou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é “ator para estimular e impulsionar” o desenvolvimento. “Não é um simples banco para dar lucro e resultado para acionista. Não é um banco para dar prejuízo, nem fazer benevolência, mas é um banco para interagir com políticas públicas de desenvolvimento econômico e social” declarou

Alban disse que a aprovação de uma nova regra fiscal é algo “premente” e “há uma sensibilização” do Congresso sobre a urgência do tema. “É difícil prever que tipo de desgaste político e de necessidades de base parlamentar vão ser necessários para que esse arcabouço chegue a uma conclusão, quais vão ser as alterações e o formato final”, afirmou

“Que custo político isso pode ter? Isso poderá representar uma maior ou menor dificuldade para a discussão da reforma tributária. A meu ver, ela já não enfrenta grandes embates nas discussões federativas, mas ainda um pouco na discussão dos setores da economia.”

BC E JUROS

Questionado se os empresários devem apoiar as críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao BC (Banco Central), Alban disse ser “fácil encontrar teorias econômicas para justificar políticas monetárias A, B, C ou D”. Entretanto, falou ser “consenso” que “os juros reais que se praticam no Brasil são insustentáveis”.

“É óbvio que eu não concordo com os juros atuais do Brasil, mas eu também entendo que precisamos achar a forma adequada de discutir esse assunto e fazer um movimento uníssono e seguro”, declarou.

Fonte: Brasil Amazônia Agora

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui