Adiamento se deu por conta da agenda e que ainda faltam encontros com as bancadas e governadores para discutir a proposta.

Adiamento se deu por conta da agenda e que ainda faltam encontros com as bancadas e governadores para discutir a proposta.

O grupo de trabalho da reforma tributária na Câmara adiou a entrega do relatório da proposta, antes prevista para terça-feira (16).

Segundo o coordenador do grupo, o deputado Reginaldo Lopes, o documento deve vir à público no fim do mês de maio, ou, no máximo, no início de junho.

Ao jornal Estadão, Lopes afirmou que o adiamento se deu por conta de agenda. De acordo com ele, ainda faltam encontros com as bancadas e com os governadores para discutir a proposta.

Apesar disso, nos bastidores, a intenção do governo é concentrar esforços na aprovação do novo arcabouço fiscal e evitar a discussão de pautas sensíveis ao mesmo tempo.

Votação da reforma tributária

Em meio à crise na articulação política com o Congresso Nacional, a expectativa do governo é encaminhar a proposta de reforma tributária apenas após a votação do arcabouço fiscal.

O movimento já havia sido sinalizado pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa, em abril.

Em declaração à CNN Brasil, ele falou que o governo irá trabalhar em “etapas” e que “não é adequado” misturar ambas as propostas.

Neste momento, o foco do governo  é a aprovação do novo marco fiscal.

Em fala à imprensa nesta segunda-feira (8), o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, responsável pela articulação entre o governo e o Congresso, disse que a ideia é votar a reforma tributária, pelo menos na Câmara, antes do recesso do Legislativo, no meio do ano.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, já sinalizou neste sentido.

Com informações da Exame

Fonte: Portal Contábeis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui